18 de agosto de 2017

Boletim 71

Reunião de RE de 17 de agosto

A primeira reunião de RE do semestre, após o processo eleitoral que reconduziu as Chapas 1 e 2 à diretoria do SINPEEM, foi marcada por um debate estrangulado e sem respostas para a categoria se defender dos ataques do Governo Dória. Tal fato se deu por conta do encaminhamento da Presidência (infelizmente aprovado pelos REs) estabelecer a discussão entre as 9:30h e as 10:45h, cabendo o restante do tempo da reunião para uma palestra sobre neurociência. Após os informes da presidência, sobrou pouco tempo para os representantes apresentarem a situação das escolas que enfrentam o fechamento de espaços pedagógicos para o atendimento da demanda e não houve qualquer orientação para o enfrentamento desse situação calamitosa.

É flagrante que o atual formato das reuniões de RE do SINPEEM não dão conta que o debate se realize e a categoria formule a melhor maneira de combater o desmonte da educação pública aplicado pelo Governo Dória. É urgente que a diretoria do SINPEEM retome a realização de reuniões regionais (em todas as regiões!), de modo a viabilizar a troca de informações e a organização da luta.

Nós que alimentamos o Boletim Debate CUTista SINPEEM Independente e de Luta com nossas intervenções na reunião de REs defendemos:

  • o combate para o acolhimento da demanda com qualidade, sem o fechamento de espaços pedagógicos e aluguéis de imóveis para a instalação de turmas; 
  • a participação de uma delegação da diretoria do SINPEEM no Fórum em defesa da Cidade, que tendo a participação de sindicatos e movimentos sociais, organiza a luta contra a venda do patrimônio do Município de São Paulo, pretendida por Dória;
  • a participação da categoria, organizada pelo SINPEEM, no dia Estadual de Paralisação em defesa dos serviços públicos convocado pela CUT São Paulo para o dia 28 de outubro.
As nossas propostas foram aprovadas pelos REs e segue como indicativo para serem referendadas na próxima reunião do Conselho do SINPEEM. Por conta da contenção da discussão, não tivemos a oportunidade de defender a posição de que o SINPEEM deve refutar por completo o Decreto 57.817/17, defendemos que não haja nenhuma punição aos grevistas em início de carreira!

Abaixo segue o Boletim número 71, contendo o nosso balanço da Eleição do SINPEEM e a nossa contribuição ao debate.